Valentia

“(…) a nossa procura da felicidade é frequentemente dilacerante, porque somos movidos por dois desejos contraditórios: o bem-estar e a superação. Precisamos de estar confortáveis e precisamos de criar alguma coisa de que nos sintamos orgulhosos , e pelo qual nos sintamos reconhecidos. Uma actividade que dê um sentido à nossa existência, por muito ilusório que esse sentido seja. Temos, pois, que harmonizar desejos contraditórios. Precisamos construir a casa e descansar nela. Precisamos estar refugiados no porto e a navegar. (…) A procura obsessiva do bem-estar fomenta o medo, converte-nos a todos em submissos animais domésticos, e a submissão é a solução confortável – e por isso amnésica – do receio. A valentia, pelo contrário, liberta-nos, mas – incómoda contrapartida – faz-nos perder parte do bem-estar. Faz despertar no gato modorrento o felino livre que vive, sem dúvida, menos cómodo, sem aquecimento, sem cestinho, sem comida pronta, e sem afagos. Lança-nos ao descampado, que é o território da liberdade e da criação.”

Em: O medo (tratado sobre a valentia) de José António Marina. 

Anúncios
Categorias BlogTags , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close